Associação e ONGs Lutam na Justiça contra Porto no Forte e Sumidouro

Associação e ONGs Lutam na Justiça contra Porto no Forte e Sumidouro

No litoral Norte de Santa Catarina, a Associação Francisquense de Surf (AFS) protocolou na quarta-feira, 13, na 1° Promotoria de Justiça da Comarca de São Francisco do Sul, um pedido de processo civil para a realização de um estudo de impacto ambiental sobre o projeto de construção do  Porto Brasil Sul (PBS) na Praia do Forte. De acordo com a entidade e outras ONGs que se somaram aos pedidos na Justiça, a obra não teria os documentos pertinentes.

O protocolo da ASF é o número  02217000288869.

“Estudos devem ser realizados, antes da empresa privada chegar em nossa casa e dizer NÃO DA NADA derrubar a restinga! Não dá nada acabar com a única praia virgem da ilha. Queremos ver se as leis federais tem algum valor nesse país”, comunicou a diretorias da Associação através da rede social Facebook.

O projeto do Porto Brasil Sul pretende suprimir 4 km de mangue na saída da Baía da Babitonga e acabar com a preservação da Praia do Forte e Sumidouro em função do trânsito de embarcações transatlânticas. Hoje São Francisco do Sul já possui um porto em funcionamento.

Tanto a população local quanto entidades apoiadoras questionam como o município autorizou a construção do empreendimento sendo que não foi avaliado o impacto do trânsito de caminhões nessa localidade, grau de poluição sonora e das águas, sem contar com o prejuízo a um dos berçários de aves da mata atlântica mais importantes do Sul do país.

porto não

Foto editada por Frederico Westphalen

“Ser a favor da preservaçã da Área de Preservação Permanente na praia do Forte, não significa ser contra o desenvolvimento da Ilha. Somos a favor do desenvolvimento sustentável e amparado por leis federais. Somos a favor do turismo ecológico, do apoio á micro empresa ligada ao turismo em todas as suas áreas, somos a favor do turismo esportivo, Turismo receptivo, da pesca artesanal. Esses sim, trarão renda às famílias locais. Não industrialize o paraíso.”, encerrou a ASF.

No site de internet Avaaz.org existe uma petição pública para que a Fundação de Meio Ambiente do Estado de Santa Catarina (FATMA) e o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (IBAMA) suspendam a construção do projeto. Assine AQUI. 

Também foi lançada com a comunidade do surfe uma campanha para chamar a atenção das mídias sociais e da comunidade. Coloquem na sua prancha, no Face e no Insta #sumidourofree

Comentários

comentários

Compartilhe