Cidreira Proíbe Surf no Molhe de Salinas

Cidreira Proíbe Surf no Molhe de Salinas

A prefeitura municipal de Cidreira, no Rio Grande do Sul, proibiu a prática do surfe nas proximidades do pier de Salinas, um dos picos mais conhecidos do litoral gaúcho, local de ondas fortes e tubulares. A medida determina o cumprimento do Decreto Estadual 49.245 de 18 de junho de 2012 que obriga aos surfistas a permanecer afastados da plataforma  de pesca numa distância mínima de 200 metros.

A notícia chegou como um balde de água gelada nas costas da comunidade gaúcha do surfe, que encontra em Salinas um dos seus principais locais para a prática. Já para o município o convívio entre surfe e pesca não está acontecendo de forma muito amigável.

As fortes correntezas e as linhas de rede colocadas muitas vezes em áreas próximas da costa, coloca em risco a vida dos surfistas gaúchos.

A entrada ao Pier apareceu assim.

Na internet a decisão já repercutiu, onde vários surfistas consideram que o município escolheu afastar os surfistas vindos de outras cidades maiores das suas praias. Para eles a decisão vem a prejudicar e permite dar continuidade à permanência de redes de pesca irregulares ao longo da orla.

Cidreira é a praia gaúcha onde existe o maior índice de morte de surfistas por emalhe acidental em rede.

Nas imagens ilustrativas da equipe da Cideira Surf é possível ver as condições do pico quando está clássico.

Pier de Salinas funcionando. Foto: Cidreira Surf

 

Altas ondAS ROLANDO

Comentários

comentários

Compartilhe