Minha Broder no Surfe – Por Gabriella Bona

Minha Broder no Surfe – Por Gabriella Bona

O tema da vez já foi um problema para mim. Em 2001, quando comecei surfar, quase ninguém da minha cidade, Jaraguá do Sul, surfava. Surfar era um passatempo de verão. Pelo menos, para a maioria da população, digamos uns 98% rsrsrs. E o que pra mim começou como brincadeira, de repente se tornou coisa séria.

No início tive que aprender a conviver muito mais com garotos, pois o mundo do surf  era e ainda é um ambiente muito mais masculino. Ainda mais na minha cidade, acredito que até hoje, sou a primeira e uma das únicas meninas que surfam por lá. Por isso eu tinha dificuldade de ter parceria feminina . Minhas companhias frequentes eram meu irmão mais novo, meus primos e amigos deles. O Ambiente muitas vezes hostil  assustava “um pouco” minha amigas. O fato é que  lugares assim sempre espantaram minhas as garotas. Sei que posso contar com elas para muitas coisas e quem sabe um dia de verão com sol a pino na praia Brava agrade. Mas não as 7:30 da manhã ou enfrentando trilhas, duna,  mal tempo, chuva, vento ou frio. Então nunca tive muita escolha a não ser ir sozinha ou com garotos.

Tudo mudou quando fui morar em Balneário Camboriú para ir à faculdade e conheci a Antônia. Ela era de Blumenau. Foi a primeira menina do surf que eu fiquei amiga e que também era fissurada pelo surfe. Nós duas tínhamos histórias parecidas, fazíamos o mesmo curso de Bacharel em Moda e vínhamos de cidades bem tradicionalistas. Eramos consideradas muito moderninhas para os padrões impostos. Nossos desejos eram diferentes das mesmas meninas da nossa idade. Enquanto nossas amigas faziam a unha, a gente surfava. E era muito legal. A época da faculdade eu realmente me dediquei a surfar. E foi ao lado dela que evolui. É incrível como a parceria no surf é bem vinda, Sempre!

Quando terminei a faculdade eu tinha um namorado surfista que hoje é pai dos meus filhos. Juntos embarcamos no sonho de conhecer e morar fora do país. Embarcamos nesta aventura rumo a Austrália e durante o tempo que moramos lá,  juntos experimentamos experiências incríveis e inesquecíveis.  Com isso Quero dizer que ter com quem compartilhar momentos marcantes é multiplicar felicidade.  É ser feliz em dose dupla. Por isso se tiver a oportunidade de viajar e surfar com alguém vá. Seja pra onde for na praia mais próxima ou alguma surf trip.

Hoje com ajuda da tecnologia criamos Parcerias ao toque da mão. Aplicativos reúnem grupos que compartilham o mesmo estilo de vida. É com estes grupos que trocamos  informações e imagens diárias relacionadas ao surf e todo o seu mundo. Encontrar parceria está cada vez mais fácil e a tendência é só evoluir no sentido de  estreitar  estes caminhos.

Independente do tipo de companhia seja de amigo,amiga, irmã, prima, vizinha, namorado, a alegria de surfar e o êxtase é tão intenso que merece ser dividido e compartilhado. E eu não falo de compartilhar coisas em redes sociais, mas de compartilhar momentos e emoções .

Texto de Gabriella Bona

gABRIELLA BONA

Nascida em Jaraguá do Sul, Santa Catarina, aos 16 anos a paixão pelo surf fez a estilista Gabriella Bona mudar-se para o litoral atrás de ondas e do lifestyle praiano. Mãe de gêmeos, coleciona surftrips ao redor do mundo na bagagem e já estrelou o documentário de surf 9ondas. Hoje a surfista divide seu tempo entre trabalho, família e o surfe.

Comentários

comentários

Compartilhe