Peru Assina Regulamentação para Proteção das suas Ondas

Peru Assina Regulamentação para Proteção das suas Ondas

Presidente Ollanta, surfistas e Federação no Palácio de Governo. Foto: Luis Tantajulca Olasperu

Meio Ambiente 

Depois de 13 anos em espera para sua aplicação, o presidente peruano Ollanta Humala assinou no dia 07 de dezembro o regulamento para o cumprimento da Lei nº 27.280 sobre a Preservação da Costa e Ondas Próprias para a Prática Esportiva. O objetivo da medida é proteger as praias das construções irregulares e mal planificadas que possam prejudicar os fundos de areia e a qualidade das ondas no país. 


Exemplos de falta de planificação costeira existem no país todo, com construções em cima da praia que acabam propiciando alterações os movimentos de areia. A falta de vegetação costeira no Peru provoca uma frequente alteração dos bancos, que podem vir a ser prejudicados por prédios nçao regulamentados. 
assinatura do documento aconteceu junto a oficiais do governo, diretivos da federação nacional de Prancha (FENTA) e representantes da Equipe Nacional de Surf do Peru. 


Huanchaco é uma das praias que será beneficiada. Foto: ISA/Rommel Gonzales

“Se temos atletas de liderança em nível regional a mundial no surf, por que não podemos seguir apoiando este esporte que traz tanto valor para o país. Vale a pena se preocupar já que o surf é uma parte que contribui ao desenvolvimento da saúde dos jovens, levando-os a um caminho de valores longe das drogas e gangues”, comentou o presidente. 

O presidente da Associação Internacional de Surfistas (ISA), Fernando Aguerre, destacou que a proteção das áreas costeiras não beneficia somente aos surfistas. “A proteção destes espaços também ajuda à preservação da cultura local e a disponibilidade de ondas para as comunidades de surfistas”, explicou. 


Beach Breaks como a cidade histórica de Huanchaco e a tradição dos Cavalinhos de Totora com mais de 4 mil anos, foram beneficiados com esta lei. 

“Peru está dando o exemplo para vários países sobre a importância da preservação costeira”, encerrou Aguerre. 
Para a implantação da Lei e a salvaguarda de picos como Punta Rocas e La Herradura foi necessário chegar a um consenso com o Congresso peruano, depois com o Ministério da Defesa, o Ministério de Educação e a Marinha de Guerra, além do Instituto Peruano do Esporte e a Federação Nacional de Prancha. 

Comentários

comentários

Compartilhe